31/01/16

"O amor é assim..." - Capítulo 17

 Bom dia gente linda, espero que o vosso Sábado tenha corrido bem, o meu foi passado em casa e como ando inspirada passei o meu dia a escrever para a história, quando escrevo sinto-me em paz e feliz.
Desejo-vos um excelente Domingo.

No último capítulo:
 Caminhamos os quatro por aquele corredor que parecia não ter fim, mas hoje estava a ser feito com alegria e aquelas paredes hoje tinham mais vida.
**************************************************************
Pedro (Pai)
 Quando ouvi a minha mulher a dizer que a nossa filha tinha acordado finalmente, não sei explicar mas foi uma alegria tão grande que não cabia no meu peito, só me apetecia gritar de alegria, mas não o fiz pois estava num hospital e tinha de respeitar as outras pessoas.
Entrei no quarto dela juntamente com a minha mulher, o meu sogro e o Rodrigo.
 Sorri, ela olhou para a porta e notava-se que estava um pouco confusa, aproximei-me dela.
 
- Então princesa já acordas-te? – Disse-lhe enquanto ela olhava para todos nós.
 
- Parece que sim, é estranho mas não me consigo lembrar das vossas caras, não sei mesmo quem são, desculpem. – Uma lágrima caiu pela sua cara.
 
- Tem calma Margarida, pelo que a tua mãe nos disse é normal, com o tempo vais lembrar-te de tudo. – Disse Rodrigo ao mesmo tempo que fazia uma festa na cara de forma a tentar tranquiliza-la.
 
- Quem és tu? – Questionou Margarida.
 
- Eu sou um amigo teu, o Rodrigo, mas não te esforces, vais acabar por te lembrar. – Sorriu.
 
- Se vocês o dizem, mas sinto-me triste, quero lembrar-me de tudo e quando mais tento, mais confusa fico.
 Margarida
  Sinto-me triste, queria tanto lembrar-me de tudo, quero saber quem sou, pois nem isso sei, bem, de uma coisa tenho a certeza, o meu nome é Margarida pois é assim que toda a gente me tem tratado.
Sei que estas pessoas que estão comigo no quarto gostam muito de mim e é isso que me faz ter um pouco de tranquilidade no meio da tempestade, pois assim sei que nunca vou estar sozinha.
  O meu maior medo neste momento é de não voltar a andar e isso sim faz-se ficar muito triste, sei que existem pessoas que ficam sem andar e recuperam mas também existem aquelas que não recuperam e ficam para sempre agarradas a uma cadeira de rodas e eu não quero isso, quero recuperar, não sei o que seria da minha vida se ficasse dependente  das outras pessoas para tudo.
Isto sem dúvida alguma é a maior batalha da minha vida e eu vou enfrenta-la sem medos, só espero que daqui a uns tempos esteja a festejar a minha vitória.
  Enquanto estava com os meus pensamentos olhei o rapaz que me tinha dito que era meu amigo, o olhar dele, o sorriso, não sei bem, faz fizeram-me sentir calma, será que é apenas meu amigo ou será algo mais?
Ai, sinto-me tão confusa, só quero é lembrar-me rapidamente de tudo.
  E foi no exacto momento que desviei o olhar do Rodrigo que comecei a ficar tonta e a doer-me muito a cabeça.
 
- Aii. – Gritei de dor.
 
- Margarida, que se passa? – Perguntou aflita a  minha avó Maria.
  Não me parava de doer e era cada vez mais forte a dor e foi quando fechei os olhos que umas imagens me vieram à cabeça.
Começei por ver o mar, estava eu e mais um rapaz que não sabia quem era, estávamos a falar e do nada eu saí a correr da praia.
 
- Estou a ver umas imagens na minha cabeça, mas está a doer-me tanto.
 
- Que estás a ver, Margarida? – Perguntou-me a doutora que entretanto tinha entrado no quarto.
 
- O mar, estava eu mais um rapaz, não sei quem é ele, estávamos a falar e depois eu saí a correr e não vi mais nada.
 
-  Estás a recuperar a memória, agora tens de ter calma e descansar.
Eu vou pedir à enfermeira que te dei-a algo para as dores de cabeça e peço o favor de ficarem só duas pessoas no quarto, a Margarida precisa de descansar. – Pediu educadamente a doutora.
 
Sofia ( Mãe)
  Tal como a doutora pediu, eu, o meu marido e o Rodrigo saímos do quarto e deixamos a nossa Margarida com os meus pais, eles precisam de estar com a neta e sei que a presença deles lhe faz muito bem.
 
 
 
 
 


30/01/16

“O amor é assim …” – Capítulo 16

  Bom dia meus amores, hoje trago-vos mais um capítulo da história, espero que gostem.
Desejo-vos um excelente Sábado.

                            
No último capítulo:
- Margarida, tu vais ficar bem, sei que é horrível não sentires as tuas pernas, mas infelizmente com o acidente deixas-te de andar, mas com a minha ajuda e com a força que sei que tu a tens, vais voltar a andar, confias em mim? Disse a doutora, olhando Margarida nos olhos …

- Eu não posso andar, doutora? - Gritou Margarida.

************************************************************
- Margarida, para já não, primeiro que tudo vais ter de recuperar da operação a que foste sujeita, tiveste uma hemorragia interna muito grave, por isso vais ter de ter muito calma querida.

- Quanto tempo isso vai demorar?

- Algum, daqui a algumas semanas vais ter de ser operada à coluna, a recuperação dessa operação vai de 6 meses a 1 ano.

- Tanto tempo? Eu quero sair deste hospital, tenho de ir à escola e lutar pelo que quero.
  Gritou ao mesmo tempo que uma lágrima caía pela sua cara.

- Querida, neste momento a tua prioridade vai ter de ser a tua saúde, a escola não vai fugir, se perderes este ano ainda és muito novinha, tenho a certeza que vais conseguir tudo o que queres, mas primeiro queres voltar a andar certo? – Sorriu.

- Sim, mas vai ser tão difícil.

- É difícil e até pode demorar mais tempo que o previsto, mas eu acredito em ti, mas tu também tens de acreditar e ter força.

- Eu vou fazer de tudo para voltar a andar. – Sorriu.

- É esse o espírito que quero ver em ti, sempre. – Sorriu.

-Obrigada doutora, por tudo o que está a fazer pela minha filha. – Agradeceu, Sofia.

- Agora vou-vos deixar um pouco com ela, mas não a cansem muito, ela precisa de descansar e não se preocupem que ela vai recuperando a memória.

Mãe (Sofia)
  Quando ouvi assim do nada a voz da minha filha, o meu coração iluminou-se de alegria, a esperança de vê-la acordada diminuía a cada hora que passava, mas graças a deus ela acordou e agora de dia para dia vai melhorar, eu acredito.
Fiquei um pouco preocupada quando ela não me reconheceu a mim e à minha mãe, mas se a médica diz que é normal fico mais descansada.
  A doutora tal como disse deixou-nos sozinhas com ela, mas lembrei-me que o Pedro, o meu pai e o Rodrigo ainda não sabiam que a nossa princesa tinha acordado e mereciam também saber, vão ficar tão contentes.

- Filha, a avó fica aqui contigo e eu vou à sala de espera dar a novidade que tu acordas-te.

- Hum, está bem.

Tal como disse, saí do quarto, e desci até ao piso onde eles se encontravam.

- Então, como é que ela está? – Perguntou, Pedro (Pai).

 - A nossa menina acordou. – Sorriu Sofia.


- Acordou? – Sorriu Pedro(Pai).

- Sim acordou, está um pouco esquecida, não se lembra de nós, mas a médica disse que é normal, que aos poucos ela vai recuperando a memória.
Já sabe que não pode andar, mas a médica foi tão simpática com ela, acho que a conseguiu acalmar.

- Tão bom que a nossa princesa acordou. – Disse José (Avô)

 - Nem acredito que ela acordou, estou muito feliz. – Sorriu, Rodrigo ao mesmo tempo que se juntava ao abraço que Sofia, Pedro e José davam.

- Vamos todos lá a cima vê-la? – Perguntou Sofia (Mãe).

- Sim vamos, mas convém não ficarmos lá muito tempo, ela deve precisar de descansar. – Disse Pedro (Pai).

 Caminhamos os quatro por aquele corredor que parecia não ter fim, mas hoje estava a ser feito com alegria e aquelas paredes hoje tinham mais vida.











29/01/16

Eu vou vencer ...

  Bom dia, ontem passei o dia com algumas dores e com diarreia mas pensamento positivo vai dar tudo certo e vai chegar a altura em que eu vou vencer esta maldita doença.
Quem ainda não leu a história basta ir ao separador “Leitura” que tem lá os links, esta semana publiquei o capítulo 14 e o 15.
 Desejo-vos uma excelente Sexta-Feira, sejam felizes.

 

 

28/01/16

"O amor é assim ... " - Capítulo 15

  Bom dia gente linda, ontem deixei-vos aqui o capítulo 14, sei que pouca gente o leu, mas como tive tempo e inspiração ontem escrevi e aqui vos deixo mais um capítulo, digam-me sinceramente o que estão a achar desta história, é muito importante para mim.
Desejo-vos uma excelente Quinta-Feira.

 
No último capítulo:
Avó (Maria)

 Estava a falar com a minha filha, a tentar dar-lhe a máxima de força possível, quando olhei de repente e vejo a mão da minha netinha a mexer-se.
- Margarida querida, estás a ouvir-nos?

-Ela não a ouve mãe, infelizmente. – Disse tristemente.

- Filha, a mão dela mexeu-se.- Afirmou.

- Pode ser um sinal que ela está quase a acordar. – Sorriu.

 - Vamos ter fé, vai tudo dar certo.

 ******************************************************

Margarida
  Estava num campo a correr, só via flores, árvores e pessoas vestidas de branco a correr de um lado para o outro, vi uma porta, tentei atravessa-la, até que uma luz forte bateu contra os meus olhos, ouvia vozes, queria muito reagir mas havia algo mais forte do que eu.

 Sentei-me na relva e passado um pouco uma dessas pessoas de branco veio ter comigo.

 - Olá Margarida, tens de voltar ao teu mundo.- Sorriu.

 - Olá, ao meu mundo?

 - Sim querida, este é o mundo dos anjos, tens de voltar à terra, tens lá pessoas que gostam muito de ti.

 - Mas e a senhora?

 - Eu já sou uma velhota, era amiga da tua avó, ela está muito triste, com medo de te perder.

 - Como volto eu ao meu mundo? – Perguntou aflita.

 - Estás a ver aquela porta ali?- Disse apontando para a porta que eu tentei atravessar momentos antes …

 - Sim, há pouco tentei passar por ela e não consegui ….

 - Agora vais conseguir querida, levanta-te e corre, sê feliz.

   Ia responder mas do nada a simpática senhora desapareceu, levantei-me tal como ela mandou, sorri e corri em direcção daquela porta que parecia ter magia.
Tentei abrir de novo os meus olhos, comecei a ouvir duas vozes, mas não sabia de quem eram.
  Devagarinho consegui finalmente abrir os olhos, não conseguia ver muito bem, estava tudo muito enevoado, doía-me muito a cabeça, olhei à minha volta e vi dois vultos.
Queria saber onde estava, mas estava demasiado confusa…

 - Onde estou eu?

- Meu deus Margarida, tu estás acordada. – Sorriu Sofia, mal ouviu a voz da sua filha.

 - Quem é a Margarida? – Interroguei perante a confusão que estava a minha cabeça.

 - Tem calma querida, tu estás um pouco confusa- Disse Maria.

 - Quem são vocês e onde estou eu?

 Não estava a entender nada do que se passava, só sabia que tinha duas pessoas à minha frente e por mais que me esforça-se não conseguia saber quem eram.
E do nada apareceu uma pessoa, com uma bata branca, pisquei os olhos e lembrei-me do campo e das pessoas que corriam de um lado para o outro, teria tudo aquilo sido um sonho e isto é que é a vida real?

 - Doutora, ela acordou, mas não nos conhece. - Disse Sofia, preocupada.

 - Tenham calma, é normal a Margarida estar um pouco confusa, vamos fazer uns exames mas em princípio deve ter sido de ter estado em coma este tempo.

 - Em coma? O que se passou afinal? Onde estou eu? E quem são vocês?

  A tal doutora sentou-se à minha beira e simpaticamente meteu a mão dela sobre a minha.

 - Calma, eu vou explicar-te tudo, mas tens de me ouvir.

 - Tu és a Margarida e o que se passou é que tiveste um acidente e estás no hospital, eu sou a médica que estou a tratar de ti e aquelas duas senhoras são da tua família e estávamos todos muito preocupados contigo.

 - Preocupados? Mas eu não as conheço de lado nenhum …

 - É normal, com o tempo vais-te começar a lembrar de tudo.

  Uma confusão, é o que eu acho disto tudo, como é que esta doutora pode dizer que as senhoras são da minha família se eu nem as reconheço.
Quero é sair deste hospital, mas quando ia tentar levantar-me reparei que não conseguia mexer as minhas pernas, aflita, gritei.

- Nãooo….

 - Que se passa Margarida? – Perguntou-me a doutora …

 E as duas senhoras aproximaram-se …

 - As minhas pernas, eu não as sinto. – Gritei, enquanto uma lágrima caía sobre a minha cara.

 - Calma filha. – Disse Sofia, preocupada em ver a filha naquele estado.

 - Margarida, tu vais ficar bem, sei que é horrível não sentires as tuas pernas, mas infelizmente com o acidente deixas-te de andar, mas com a minha ajuda e com a força que sei que tu a tens, vais voltar a andar, confias em mim? Disse a doutora, olhando Margarida nos olhos …

 - Eu não posso andar, doutora? - Gritou Margarida.



27/01/16

“ O amor é assim … “ – Capítulo 14

 
  Bom dia meus amores, desculpem a demora a publicar o capítulo, como sabem tenho andado cansada e com muitas coisas para fazer, mas agora aqui está ele, espero que gostem e mais uma vez, mil desculpas.
Desejo-vos uma excelente Quarta-Feira.

No último capítulo:
Pai (Pedro)
  Hoje recordo quando ela caía e nem uma lágrima deitava, podia estar a doer-lhe muito que ela nunca dava parte fraca, quando doía ela sorria e dizia que já tinha passado.
O caminho para a polícia foi feito em silêncio mas eu ia a recordar a minha Margarida e o meu coração batia a um ritmo alucinante, só queria que isto fosse apenas um pesadelo e que ela estivesse bem.
********************************************************
Sofia (Mãe)
  Finalmente tínhamos chegado ao destino que pretendíamos, à polícia, só quero que aquele mostro pague por tudo o que a minha filha está a passar.
Entramos os três e mandaram-nos entrar numa sala, lá sentamo-nos e esperamos um pouco.
  Depois estivemos um pouco à conversa com um polícia que nos explicou que o Afonso ia sim pagar por tudo, mas que agora estava internado na ala de psiquiatria, pois o advogado dele alegou que ele não estava no seu estado “ normal”, mas que a justiça ia ser justa, que todos temos de ter pensamento positivo.
Não saímos da polícia satisfeitos, o medo que aquele mostro não pague pelo que fez à nossa Margarida é muito, mas nós vamos lutar para que a justiça seja feita.
  Entramos no carro e iniciamos de novo o percurso, mas desta vez com destino a casa dos meus pais, tínhamos combinado que íamos busca-los para eles irem ver a neta.

 – A justiça vai ser feita, tenha calma, Pedro.

 - Espero bem que tenhas razão, Rodrigo. (sorriu).

- Agora vamos é buscar os meus pais e vamos vê-la, que ela sim é o mais importante agora.

 - Tens razão mulher, vamos, só espero que tenhamos boas notícias no hospital.

 - Ela é uma vencedora, vai dar a volta por cima. – Disse Rodrigo transmitindo força aos pais.

 - Obrigado querido, tens sido um rapaz maravilhoso, a nossa filha tem sorte em ter um amigo como tu, sempre gostei muito de ti, mas agora estás a surpreender-me ainda mais.

 - Não precisa de agradecer Sofia, faço isto de coração e eu é que tenho sorte em ter a vossa filha como minha amiga.

 Os meus pais já estavam à porta de casa e sem mais tempo a perder entraram no carro e agora sim estávamos a ir finalmente para o hospital.
Quinze minutos depois estávamos na sala de espera, sentamo-nos um pouco pois ainda não estava na hora das visitas, decidimos quem ia primeiro, pois só é permitido 2 pessoas de cada vez.

 Avó (Maria)
  Desde que soube que a minha menina estava a lutar pela própria vida que fiquei sem chão, fiquei bastante preocupada, apesar de querer mostrar-me forte, tenho medo, não a posso perder, ela é tudo para mim.
Mal começaram a decidir quem ia primeiro, eu pedi para ir eu, o que eu mais preciso é de vê-la.
   Tudo isto pode alterar a vida dela para sempre, mas eu sei que ela vai ser forte e vai surpreender todos.

 - Muito obrigada por me deixarem ir em primeiro lugar. – Disse simpaticamente.

 - E eu vou consigo mãe, tenho a certeza que a Margarida quando acordar vai adorar saber que nós estivemos aqui todos juntos.

 - Ela é uma menina muito forte, sai ao avô. (sorriu)
 
- Já podemos ir vê-la mãe, vamos?
 
- Sim vamos a isso.
 
Sofia (Mãe)
  Dei a mão à minha mãe de forma a transmitir-lhe alguma força, eu estou a sofrer por ver a minha filha assim, mas sei que como avó está a sofrer tanto como eu.
Chegamos finalmente à porta do quarto dela, entramos, fixei o olhar na minha filha, parecia tão serena a dormir.
  Aproximamo-nos da cama, dei-lhe a mão e falei para ela, sei que não me ouviu, mas tinha essa esperança.
 
- Ela vai reagir filha, tem calma.
 
- Eu sei mãe, mas custa tanto vê-la assim.
 
- A nossa Margarida, ela sempre foi uma miúda que nunca parava, nem quando estava doente, uma pestinha, mas acima de tudo a nossa princesa e agora ela vai mostrar-nos a todos que continua a ser essa menina e vai ficar bem.
 
- Que Deus a ouça mãe.
 
- Vai ouvir sim. – Disse calmamente e com confiança.
 
Avó (Maria)
 Estava a falar com a minha filha, a tentar dar-lhe a máxima de força possível, quando olhei de repente e vejo a mão da minha netinha a mexer-se.
 
- Margarida querida, estás a ouvir-nos?
 
-Ela não a ouve mãe, infelizmente. – Disse tristemente.
 
- Filha, a mão dela mexeu-se.- Afirmou.
 
- Pode ser um sinal que ela está quase a acordar. – Sorriu.
 
- Vamos ter fé, vai tudo dar certo.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

26/01/16

Sapatilhas " Não resisti ... "

  Bom dia meus amores, ontem de manhã fui sair com os meus pais e graças a isso descobri que ao caminhar muito me sinto mal: começo a ficar sem forças e a transpirar, daí a médica dizer que não devo fazer muitos esforços, agora entendi o que ela quis dizer com isso.
Por isso vou começar a ter mais cuidado com os esforços que faço.
   E de tarde depois de ir buscar o meu priminho fui à Seaside e comprei umas sapatilhas lindas, tenho muitas, mas não resisti, mas prometi ao meu pai que a partir de agora ia-me controlar mais quanto a comprar sapatilhas atrás de sapatilhas, é o calçado que mais gosto de andar, daí ter uns 7 pares de inverno e mais alguns de verão.
Desejo-vos uma ótima Terça-Feira.


 

25/01/16

Bom dia - E hoje é Segunda-Feira!

  Bom dia gente linda, espero que o vosso fim-de-semana tenha sido bom, o meu posso dizer-vos que foi, passei-o junto da minha família e isso basta para ter um dia ótimo.
Desejo-vos uma excelente semana a todas, sejam felizes.

24/01/16

Aula de dança do priminho ...

  Bom dia, ontem tal como vos disse fui levar o meu priminho à aula de dança, foi um início de tarde muito divertido, quando chegamos a casa dei-lhe banho e depois lanchamos os dois, passamos o resto do dia a ver televisão e a brincar.
E vocês o que fizeram no vosso Sábado?
  Hoje vou passar o dia com a minha família, o meu pai está de folga por isso temos de aproveitar.
Desejo-vos um excelente Domingo a todas.