27/03/15

Texto - O dia em que a minha vida mudou para sempre ....

    Quando me sentia triste ia para a minha janela do quarto pois era de lá que eu conseguia ver o mar .
Muitas pessoas chamavam-me de mimada , mas isso era coisa que nunca fui. Ao dizerem isso só comprovavam que não me conheciam bem.
    Sempre gostei de ouvir música, principalmente aquelas que apenas se ouvia um piano ou uma guitarra a tocar, como eu gostava de estar assim deitada, de olhos fechados a ouvir.
Há momentos que nunca se esquecem, e o dia que a minha vida mudou esse nunca irei esquecer.
   Tudo se passou á 3 anos atrás. 
Eu tinha 14 anos e fui para a praia com a minha irmã mais nova que tinha 4 aninhos, os meus pais confiaram em mim para tomar conta daquela menina de olhos verdes e tão fofinha que eu gostava tanto e nesse dia eu trai a confiança deles, mas principalmente trai-me a mim própria.
    Nunca me vou perdoar.
 Nesse dia chega-mos á praia cedo, a minha menina estava tão contente, seria o primeiro dia de praia daquele verão que prometia ser excelente.
    Mas não foi. E eu fui a culpada disso.
 Eu tirei as coisas do saco de a pequenina brincar e ela ficou a fazer castelos na areia enquanto eu estendia as toalhas, depois fui ter com ela e estive a meter-lhe o protector solar.
   Ela pediu-me toda contente para ir á água e eu disse-lhe que era melhor não pois estava bandeira vermelha e seria perigoso. Ela parecia ter compreendido e disse-me para eu não me preocupar porque mesmo que eu não a deixa-se ir á água iria continuar a achar-me a melhor irmã do mundo, eu sorri, adorava quando ela me dizia aquelas palavras fofinhas como "adoro-te mana"," levo-te no meu coração ", "gosto muito de ti", "és linda mana" são palavras, são frases, são sorrisos, são momentos que nunca vou esquecer.
Nesse dia foi a ultima vez que vi o sorriso ou ouvi aquelas frases tão fofinhas que a minha pequenina dizia.
  Ela foi fazer os seus castelos na areia, disse-lhe se precisa-se de alguma coisa para me chamar e ela sorriu e disse que sim. 
Eu deitei-me na minha toalha e comecei a ouvir música. Não sei como, mas como estava cansada acabei por adormecer, quando acordei olhei para o lado e não vejo a minha menina, vi que faltava o balde de ela brincar e fiquei assustada.
    Olhei imediatamente para o mar e vi-a a tentar por água no balde, corri até ela, mas foi tarde de mais. 
O balde fugiu-lhe e ela correu para dentro, fui avisar o nadador salvador e ele imediatamente foi com a prancha tentar ajudar a minha menina. Eu entrei dentro de água, já estava a desesperar, o nadador fez de tudo, mas não a via em lado nenhum. Todos os meios de procura estiveram lá presentes.
   Nesse dia perdi a razão do meu viver.
A razão do meu sorriso.
Os meus pais nunca me perdoaram pela morte da minha pequenina.
   Ela apareceu três dias depois, MORTA
Sim morta, por culpa minha. Ainda hoje me culpo, por não a ter conseguido ajudar no momento em que ela precisou mais de mim.
    O meu refúgio continua a ser o mar. Quando estou triste é para a praia ou para a janela do meu quarto que vou.
Hoje sai de casa com destino á praia, sem ti não valia a pena, quando cheguei á praia corri para o mar e deixei-me ir. 
     Agora sim estaríamos juntas de novo.
 Faz hoje 3 anos que o mar me levou a minha estrelinha.
    Para sempre minha irmã, minha vida, minha razão de viver.
Estarás sempre no meu coração
    Adoro-te minha irmã.

 Este texto não é real é tudo fruto da minha imaginação! Escrevi-o já á algum tempo para participar num passatempo e decidi partilha-lo com vocês ...



11 comentários:

  1. OMG fizeste-me chorar a pensar que era verdade!!!

    ResponderEliminar
  2. R: Eu comecei a imaginar-me na situação, que horror!

    ResponderEliminar
  3. Chorei! Meu deus enquanto estava a ler pensei o sofrimento pela qual deverias ter passado, o dos teus pais, tudo! E depois vi que não era real! Mas parabéns ótima história. Esta pode não ser real, mas deve existir por aí algumas assim :(

    ResponderEliminar
  4. Eu já tinha lido antes e mantenho o que disse, isto está mesmo bom , confesso que por uns minutos também me interroguei se seria verdade ou não.
    Está fantástico!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. Epá, um texto tão "real", tão cheio de emoções e principalmente amor de irmãs! Por mais que seja fictício parece-se muito verdadeiro, adorei!

    r: Estive na tua situação antes de vir para Oxford e já estava tão frustrada de não encontrar nada para poder fazer a minha vida...

    ResponderEliminar
  6. r: Pois é, compreendo-te perfeitamente!
    Eu também não sei muito bem inglês, apenas o básico mas uma coisa que eles fazem é que às vezes consegues cursos de inglês grátis, nem que seja só para aprender mais vocabulário e aqui és obrigada a falar a língua deles, logo é mais fácil. Penso que em qualquer país façam algo do género!

    ResponderEliminar
  7. Oh meu deus... Que horror Catarina! Que imaginação forte fogo... Nem consigo dizer se gostei do texto, se está bom ou não, estou chocada, é completamente real, até arrepia! Parabéns!
    r.: Obrigada!

    ResponderEliminar
  8. Mesmo não sendo real, fiquei de coração apertado ao lê-lo.

    r: Muito obrigada!

    ResponderEliminar
  9. r: Claro que sim, que tudo te corra bem!

    ResponderEliminar
  10. Por momentos acreditei mesmo ser verdade e fiquei completamente arrepiada.

    ResponderEliminar